Sugestões para decorar um quarto de jovem

As cores e todos os objetos utilizados na decoração devem ser escolhidos pelo próprio jovem.

Mas os pais podem orientá-lo na escolha. Desde que o quarto dos jovens evoluiu, tornando-se um local onde se desenvolvem muitas atividades, convém dividi-lo em áreas bem definidas.

Assim, na parede oposta à janela, deverá ficar o cantinho de dormir, evitando-se, dessa forma, as correntes de ar. Se não houver condições de instalar um sofá para receber os amigos num outro ponto do quarto, a cama poderá se transformar num divã, durante o dia. Para isso, basta que o colchão seja forrado com um bonito tecido e sobre ele sejam colocadas várias almofadas. Sofá-cama pode ser outra opção. E, havendo mais de um ocupante, sendo o quarto de tamanho reduzido, pode-se optar por uma cama-beliche.

Completando o cantinho de dormir, colocar uma mesa de cabeceira para servir de apoio a vários objetos. Dentro do quarto, também pode ser separada uma área para estudar. Sua melhor localização é próxima à janela, onde há maior aproveitamento da luz natural.

Como mobiliário, é preciso apenas uma escrivaninha, uma cadeira confortável e resistente, cesto de lixo e um foco de luz, de preferência móvel, colocado à esquerda sobre o tampo da escrivaninha. Quanto a esta, pode ser de qualquer tipo. O importante é que o tampo meça, aproximadamente, 1,30 x 0,60 m.

No lugar destinado para o jovem receber amigos, colocar um sofá, ou mesmo almofadões aconchegantes, para que todos possam se instalar confortavelmente.

É claro que o armário também deve ter seu lugar no quarto. Nele, além de roupas e sapatos, podem ser guardados vários outros objetos como livros, discos e fitas.

Se o armário não for amplo o suficiente, pode-se instalar uma estante no quarto, para guardar esses objetos.

Uma cômoda ou aparador, com espelho (para que funcione também como penteadeira), pode substituir a estante num quarto de moça.

CUIDADOS COM A DECORAÇÃO

A decoração do quarto deve ficar a cargo do jovem, para que o local seja marcado pela sua personalidade. No entanto, convém que ele conheça algo sobre móveis e revestimentos de piso e parede, para fazer uma boa escolha.

Por sua resistência e beleza, móveis de madeira natural ou laqueada são ideais para quarto de jovens.

Para o piso, devem-se usar materiais macios, resistentes e de fácil limpeza, como forrações de vinil ou de fibras sintéticas. Já as paredes podem ser revestidas com materiais que suportem lavagens constantes (pintura, papel de parede plastificado, etc.).

Quanto às cores e aos objetos usados na decoração, não é necessário que combinem com o resto da casa, uma vez que estão ligados à personalidade do jovem, não necessariamente à dos pais.

Aliás, o rapaz ou a moça devem ser os primeiros a serem consultados quando se pensa em arrumar seu quarto. Mesmo que alguma coisa não seja do gosto dos pais, deve-se respeitar, não criando atritos por questões sem importância.

Receita de torta com frango desfiado para dieta

Não há dúvidas de que é uma das comidas mais versáteis de que se pode falar. O frango é uma das proteínas que são mais recomendado para ser consumido por aqueles que estão em uma dieta que visa o emagrecimento. Todo mundo que convive com quem está de dieta ou mesmo que está treinando para ter o corpo ideal sabe que boa parte da dieta desses é composta por frango. Isso é porque ele é uma das proteínas com menos gordura e, portanto, mais saudável para ser consumido. Neste artigo quero mostrar uma deliciosa receita de torta de frango desfiada.

Deliciosa receita de torta com frango desfiado

Ingredientes para receita de torta com frango

  • 2 colheres de sopa de óleo de canola;
  • 1 ovo;
  • 8 colheres de sopa de farinha de trigo;
  • 1 xícara de chá de leite desnatado;
  • 1 colher de sopa de queijo parmesão ralado;
  • 1 colher de sopa de fermento em pó.

Ingredientes para o recheio da torta com frango

  • 1 xícara de peito de frango, cozido e desfiado;
  • 2 colheres de sopa de cebola ralada;
  • 1 cenoura média cortada em cubos;
  • 1 pimentão verde médio cortado em cubos;
  • 1/2 tablete de caldo de frango luz;
  • 1/2 abobrinha média cortada em cubos;
  • 2 tomates médios cortados em cubos;
  • 1 colher de sopa de óleo de canola;
  • pimenta-do-reino a gosto;
  • salsinha a gosto;
  • sal a gosto.

Modo de preparação da torta com frango

  • Levar o óleo, os ovos e o leite no liquidificador e bata até obter uma mistura homogênea.
  • Em seguida, transfira esta mistura para uma tigela grande e misture com a farinha e o fermento previamente peneirados e queijo.
  • Misture todos os ingredientes e reserve.
  • Em uma frigideira grande aqueça o óleo, doure a cebola e misture os grãos para dissolver.
  • Em seguida, adicione os legumes (abobrinha, cenoura, tomate e pimentão) e deixe cozinhar por 10 minutos ou até os legumes ficarem macios.
  • Ajuste o sal, se necessário.
  • Escorra o líquido, se ele não seca e esperar esfriar.
  • Acenda o forno em temperatura média.
  • Cozinhe o frango em água até ficar cozido, deixe esfriar e pouco.
  • Adicione o frango, aos legumes.
  • Despeje a massa em uma assadeira untada e adicione o recheio.
  • Asse no forno por 40 minutos, ou até dourar.

Em seguida, coma esta delícia de comida light com frango!

Se você quiser mais receitas como esta, não deixe de acompanhar nosso site.

Abobrinha – um legume de fácil digestão

Leve e saborosa, desde que preparada convenientemente, a abobrinha é ideal para servir de ingrediente em sopas e papinhas de crianças.

Pertencente à família das Cucurbitáceas — da qual faz parte a abóbora — a abobrinha é proveniente das regiões mais quentes do continente africano.

Em geral, alongadas, mais ou menos cilíndricas, apresentando superfície lisa e cores verde, amarelada, mesclada ou listrada com branco, o legume tem peso que varia de 80 a 150 gramas — em alguns casos alcança até 2 quilos.

Indicada a pessoas que apresentam problema de peso ou aparelho digestivo delicado, a abobrinha contém pequenas quantidades de vitamina A e do complexo B, além de um teor razoável de cálcio, fósforo, ferro e celulose — este último, importante elemento para o bom funcionamento dos intestinos.

COMO COMPRAR E CONSERVAR

De preferência, deve-se escolher abobrinhas bem firmes, de cor verde bem brilhante ou, segundo o tipo, amarelada. Evitar legumes que estejam furados por bichos ou rachados.

Convém observar que partes manchadas de escuro ou moles denunciam um legume excessivamente maduro ou que esteve exposto ao sol durante muito tempo. Por isso, é bom evitá-los.

Por outro lado, é bom lembrar que a abobrinha deve ser guardada na geladeira, inteira, bem seca e livre de qualquer sujeira.

ALGUNS TRUQUES

Bastante utilizada em saladas, refogados, suflês, sopas, gratinados e empanados, a abobrinha é sempre melhor aproveitada com a ajuda de alguns truques:

1) O preparo de abobrinhas não exige seu descascamento. Em geral, é preciso apenas raspar a casca com uma faca bem afiada.

2) Abobrinhas são cozidas por um tempo mínimo de 10 e máximo de 15 minutos. Não acrescentar água à fervura, exceto na preparação de sopas.

3) Para abafar abobrinhas, é melhor acrescentar à panela um pouco de manteiga — com a evaporação, o vegetal fica livre da água, ao mesmo tempo em que se impregna de manteiga.

4) O miolo (ou polpa) não deve ser desprezado, mesmo na preparação de abobrinhas recheadas. De-ve-se aproveitá-lo, juntando-o a outros ingredientes como carne moída, lingüiça picada e frita, miolo de pão temperado com azeite, arroz cozido, etc.

5) Quando se dispõe de uma razoável quantidade do vegetal, convém tomar algumas precauções para que não se deteriore. Assim, passar as abobrinhas em água fervente (ligeiramente), deixando-as esfriar. A seguir, temperar com sal, azeite, alho picado, orégão (ou hortelã) e vinagre. Colocar tudo num recipiente, cobrindo bem.

6) A abobrinha é excelente para dar uma consistência mais mole às papas das crianças. Ela pode ser usada junto com legumes mais duros, como a cenoura.

Quando recheada com carne moída, sobras de carne ou peixe cozido, a abobrinha pode ser transformada no prato principal de uma refeição.

Como escolher e plantar árvores

Fundamentais para o equilíbrio do clima de qualquer região, as árvores precisam apenas de alguns cuidados antes de serem plantadas.

 

Por menor que seja um jardim, sempre há espaço para se plantar uma árvore. Além de serem muito decorativas, as árvores enfeitam e dão um colorido especial ao lugar em que são plantadas. O plantio é simples, bastando algumas noções sobre os tipos de terra e de adubo mais adequados. É preciso também que a espécie da árvore seja adequada ao clima da região em que vai ser plantada.

INFLUÊNCIAS SOBRE O CLIMA

As árvores não têm apenas uma função decorativa: muito mais do que isso, elas exercem um importante papel sobre o clima. E entre as influências mais significativas destacam-se:

Purificação do ar — Ao ser absorvido e eliminado pelas folhas das árvores, o ar sofre alterações em sua composição, tornando-se mais pobre em dióxido de carbono e mais rico em oxigênio — o processo é chamado fotossíntese, porque fixa o carbono com o auxílio da luz. Durante a noite, o processo é invertido e, por ser menos intenso, resulta na oxigenação da atmosfera.

Para se ter uma ideia dos benefícios de uma árvore nesse sentido, basta dizer que um. exemplar com peso seco de 1 250 quilos — durante sua existência — fixa em seu lenho cerca de 625 quilos de carbono, obtido exclusivamente da atmosfera. E, para atingir essa produção, uma árvore precisa filtrar aproximadamente 4 milhões de metros cúbicos de ar. É por isso que as casas cercadas de árvores apresentam um ar mais saudável e uma temperatura mais amena em seu interior.

Regularidade das chuvas — A fotossíntese é acompanhada de outro processo que resulta do desprendimento de água pela árvore. Uma única árvore de porte pequeno evapora até 500 litros de água por dia — tornando-se assim a causa principal do orvalho e da freqüência e regularidade das chuvas.

Precipitação de poeira — Outro fenômeno de grande importância é a precipitação de poeira pelas árvores. O processo é o seguinte: uma partícula de poeira, pairando no ar, é alcançada pela umidade desprendida, torna-se mais pesada e cai no solo.

Influência sobre a temperatura — Muito importante é o papel das árvores no que se refere ao refresca-mento do ambiente. Não apenas se sente menos calor em sua sombra, como também ainda ocorre uma nítida redução de temperatura, ocasionada pela evaporação da folhagem.

ESCOLHA DA ÁRVORE

A escolha correta e adequada das árvores é um ponto a ser observado. Em primeiro lugar, é preciso conhecer seu porte no estado adulto para que se possa calcular a distância que vários exemplares devem ser plantados uns dos outros.

Também é necessário saber se a espécie a ser plantada se adapta ao clima da região e se as raízes são do tipo que costumam invadir muros, calçadas ou conviver desfavoravelmente com plantas vizinhas.

Além disso tudo, deve-se sempre lembrar que o inverno é a melhor época para o plantio, porque as plantas estão em repouso.

PLANTIO E CULTIVO

Escolhida a árvore a ser cultivada, obedecendo-se às observações feitas, pode-se partir para a abertura da cova. Em geral, o tamanho máximo deve ser de 1 x 1 x 1 metro, enquanto o tamanho mínimo é de 0,40 x 0,40 x 0,40 metro.

Aberta a cova, preparar à parte a seguinte mistura: 30% de terra do lugar (boa), 20% de terra vermelha, 10% de areia, 30% de composto orgânico humificado, 500 gramas de farinha de osso e 200 gramas de calcário por metro cúbico de terra. Colocar a planta na cova na mesma altura e orientação que estava no viveiro, jogando-se a seguir terra preparada, deixada à parte. Feito isso, espalhar por cima uma camada de 5 centímetros de composto orgânico humificado — o que deve ser feito três vezes ao ano. Fazer o tuto-ramento da árvore, usando um tubo de borracha ou plástico. Irrigar a muda.

A manutenção é fácil de ser feita. Quatro vezes ao ano — de preferência nos meses de março, julho, setembro e dezembro — faz-se adubação química para assegurar um crescimento ininterrupto. A fórmula geral para todos os tipos de árvores é: 15 gramas de NPK na proporção de 20-20-20, em 20 litros de água, encharcando bem em torno da raiz da árvore.

As irrigações não podem ser esquecidas, principalmente nas épocas de seca. É bom observar que o solo precisa Ficar úmido, mas não encharcado. De vez em quando, borrifar água na árvore para evitar que a poeira se acumule.

O Deus da primeira página – 2ª parte do estudo

No artigo anterior você leu a primeira parte da lição. Hoje vamos para a segunda parte e para a conclusão da lição. Para entender o artigo abaixo você precisa clicar aqui e ler a primeira parte do estudo. Bom estudo para você.

II. A graça das boas-novas

E notável que os escritores bíblicos tenham escolhido a palavra “evangelho”. A essência da maioria das religiões é bom conselho, boa técnica, bons programas, boas idéias e bons sistemas de apoio. Essas coisas nos fazem mergulhar profundamente em nós mesmos para encontrar a nossa luz, bondade e a voz interior. Nada de novo pode ser encontrado dentro de nós. Não há nenhum resgatador interior; eu só ouço ecos de minha própria voz dizendo-me todo tipo de coisas loucas para entorpecer o meu sentimento com medo, ansiedade e tédio, cujas origens eu não posso identificar verdadeiramente. Mas a essência do cristianismo são as boas-novas. Ele não chega como uma tarefa para executarmos, uma missão para realizarmos, uma estratégia para seguirmos com a ajuda de treinadores de vida, mas como um relato de tudo o que alguém já fez, realizou, seguiu e alcançou por nós. Bons conselhos podem ajudar-nos suprindo a orientação diária; boas-novas a respeito de Jesus Cristo nos salvam da culpa do pecado e da tirania deste sobre nossa vida e do medo da morte. As notícias são boas porque não dependem de nós. Trata-se de Deus e de sua fidelidade a seus próprios propósitos e promessas.

A pessoa comum pensa que o objetivo da religião é proporcionar a nós uma lista de regras e técnicas ou um esquema de modo de vida que nos ajude a sermos mais carinhosos, misericordiosos, pacientes, atenciosos e generosos. Claro, há muito disso na Bíblia. Como Moisés, Jesus resume toda a lei exatamente nestes termos:

amor a Deus e ao próximo. No entanto, por mais crucial que seja a manutenção da lei como revelação da vontade moral de Deus, ela é diferente da revelação da vontade redentora de Deus. Somos chamados a amar a Deus e ao próximo, mas isso não é evangelho. Cristo não precisava ter morrido na cruz para que soubéssemos que devíamos ser pessoas melhores. Não que exortações morais sejam erradas, mas elas não têm poder algum para produzir o tipo de mundo que elas propõem. Essas exortações e orientações podem ser boas. Se elas provêm da Palavra de Deus elas são, de fato,perfeitas. Mas não são o evangelho. O evangelho é a notícia de que Cristo já fez por nós, na cruz, tudo o que era necessário para a salvação e nos dá a fé para que creiamos em sua pessoa e em sua obra.

Como Paulo explica no início da sua carta aos Romanos (Rm 2.18-21), a lei foi escrita na consciência durante a criação. Todo mundo sabe que é errado matar e roubar. A idolatria é prova de que todos sabem que existe um Deus, e as tentativas das pessoas de acalmá–lo com seus próprios ritos e deveres espirituais se refletem em miríades de sistemas de sacrifício. No entanto, essa revelação original e universal é lei, não evangelho. Depois da transgressão original dos nossos primeiros pais, Deus não se veria obrigado de nenhuma maneira a salvar alguém. Tendo sido estabelecida a condição para entrar no seu descanso e da sentença por violá-lo, Adão e Eva não tinham razão alguma para esperar nada para si ou para seus descendentes, exceto a confirmação da morte eterna. Contudo, Deus escolheu livremente ter misericórdia. Outra palavra veio de seus lábios: a boa notícia de um Salvador que viria da carne de Eva, um novo Adão, que iria esmagar a cabeça da serpente. A partir de então, a raça humana foi dividida em duas famílias: uma representada por Caim e seu reino orgulhoso e outra representada por Sete, cujos herdeiros invocaram o nome do Senhor. Um reino, impulsionado pelo desejo de dominação, visa à prosperidade temporal, segurança e justiça, mas cai perpetuamente em violência e colapso interno. O outro reino, impulsionado pela promessa de Deus, contempla Deus por salvação e todas as bênçãos celestiais em Cristo.

Os programas religiosos e estratégias de divulgação podem criar centros sociais definidos por nichos demográficos, mas o evangelho cria uma verdadeira comunidade transcultural que reúne gerações, raças, ricos e pobres em tomo de Cristo e do seu banquete da graça.

Não é à toa que as pessoas ficam entediadas com a igreja e assumem que podem muito bem levar a vida sem ela, afinal, ninguém precisa ser cristão para saber que precisa ser uma boa pessoa, um bom cidadão ou uma pessoa generosa e amável. Precisamos voltar a ver Deus como o ator em cartaz novamente, em lugar de vermos a nós mesmos. Não somos nós que devemos encontrar um papel de coadjuvante para Deus em nossas campanhas pessoais e sociais para o bem-estar espiritual, moral e terapêutico. Precisamos parar e ouvir o anúncio de Deus sobre o que ele fez para salvar pecadores como nós. A única coisa que a igreja pode oferecer ao mundo, que é verdadeiramente singular, é o evangelho. Somente o evangelho realiza uma nova criação na presente era de pecado e morte. Essa é a mensagem fundamental da igreja de Cristo.

Conclusão do estudo bíblico

Muitos são os modismos que passaram pela igreja e muitos ainda virão. Muitos esforços e recursos foram gastos (e ainda serão) anunciando uma mensagem centrada no ser humano – sentir-se bem, ter prosperidade, travar batalhas… Tudo isso passa. Essa não é a notícia que a igreja recebeu e que tem o dever de anunciar a este mundo caído. As boas-novas anunciadas na Escritura, as boas-novas que transformam vidas são que Cristo pagou, na cruz, o preço do perdão dos nossos pecados, para que tenhamos nele e com ele vida nova, abundante e eterna.

O Deus da primeira página – 1ª parte do estudo

O caráter singular das boas-novas

Texto básico: Atos 9.1-9

Introdução ao estudo bíblico

A julgar pelo sucesso da comunicação 24 horas por dia, podemos afirmar que, atualmente, somos viciados em notícias. Além de sermos informados sobre os acontecimentos que moldam o nosso mundo, ansiamos por ser parte de algo maior do que nosso ciclo de vida normal. Por mais importantes que muitos desses eventos possam ser, na maioria dos casos, eles vêm e vão. Semanas, mesmo dias, às vezes horas passam, e nós nos esquecemos das manchetes que momentaneamente captaram nossa atenção.

A mesma coisa acontece na igreja. Esquecemo-nos muito facilmente das coisas que mais importam — a ordem que Cristo nos deu para proclamarmos o evangelho e apascentar as suas ovelhas—por causa de modismos que vêm e vão. Cada modismo religioso parece deixar apenas desilusão e fadiga. No entanto, estamos sempre prontos para a próxima grande novidade.

Muito antes do surgimento dos modernos meios de comunicação, o conteúdo básico da fé cristã era designado “notícia” — na verdade, boa notícia, boas-novas: o evangelho.

Leitura para a semana

Domingo – Lc 3.1-2 Aspecto histórico
Segunda – 1Co 15.16-20 Ressurreição e vida
Terça – 1Co 1.18-21 Loucura da cruz
Quarta – 1 Co 1.22-25 Cristo crucificado
Quinta – Fp 3.4-11 Currículo vira perda
Sexta – Jo 1.4-9 A luz de fora
Sábado – Rm 2.18-21 Gravada no coração

I. A concretude das boas-novas

Eis aqui o ponto-chave do cristianismo. Por um lado, o evangelho é a notícia mais razoável na qual se pode acreditar. Infeliz-mente, não é isso que estamos acostumados a ouvir nestes dias. Segundo a opinião popular, religião é um salto irracional e, quanto mais você a investiga intelectualmente, mais probabilidade tem de superá-la. Ainda mais, infelizmente essa é uma pressuposição tão provável de se ouvir nas igrejas como na rua. A alegação de que “Jesus me faz mais feliz” é uma afirmação puramente subjetiva. Ninguém deve tomar-se um cristão simplesmente por causa da utilidade disso para a vida. O cristianismo não é uma fé baseada na utilidade, mas no amor gracioso de Deus que se manifesta de forma real na História, ímpar entre todas as reivindicações religiosas, o evangelho é um anúncio sobre determinados acontecimentos históricos. Em sua essência, então, o cristianismo não é um recurso para a espiritualidade, religião e moralidade, mas uma história dramática, cuja a centralidade é a afirmação de que, durante o reinado de Tibério César, Jesus foi crucificado por nossos pecados e, depois de três dias, ressuscitou dentre os mortos.

Por outro lado, o evangelho é “loucura para os que se perdem” (ICo 1.18). Religião e filosofia — aquilo que os gregos consideravam “sabedoria” — estão ali para ajudar-nos com nossa alma e questões práticas da vida. Toda essa conversa sobre a encarnação, vida, crucificação e ressurreição de um judeu parece fora de questão quando não se pensa realmente em si mesmo como pecador sob a ira de Deus.

Na medida em que continuamos a peregrinar nesta vida, o evangelho permanece estranho até mesmo para nós. Até o dia da nossa morte, vamos lutar para acreditar na notícia ruim (somos pecadores) e nas boas-novas que Deus anuncia para nós (o evangelho). Por natureza, não pensamos que nascemos em pecado, mortos espiritualmente, impotentes e incapazes de levantar um dedo para nos salvar ou impressionar um Deus santo. Consequentemente, não nos ocorre que nossa maior necessidade seja sermos redimidos, justificados, regenerados, santificados e glorificados pela obra salvadora de Deus em seu Filho e por seu Espírito.

Você reconhece o que é realmente uma notícia quando a ouve. Considere Saulo, o arquiperseguidor da igreja, a caminho de Damasco para outra perseguição aos seguidores de Jesus. Derrubado ao chão por um encontro cegante com o Cristo ressuscitado e ascendido, ele ficou tonto de perplexidade. Atuando de acordo com maior lealdade as suas mais profundas convicções sobre Deus e o desenrolar do plano divino na História, Saulo percebeu que todo o seu entendimento sobre Deus, sobre si mesmo, Israel e os gentios e toda a confiança que depositava no seu zelo moral estavam errados. Ele tinha compreendido de forma totalmente errada o que Deus estava fazendo em Jerusalém. A revolução foi tão poderosa em sua vida que seu nome foi mudado de Saulo para Paulo. Como apóstolo dos gentios, Paulo disse aos cristãos de Filipos que, apesar de ter moldado a própria identidade numa perspectiva estritamente judaica — “hebreu de hebreus”, mais zeloso do que os colegas no compromisso com a Lei —, ele tinha passado a enxergar a própria “justiça” como “refugo”. Tudo o que ele tinha acumulado pelo zelo e esforço mudava, então, para a coluna de débito, para “ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé”.

“Perseguidor da igreja encontra a salvação em Jesus Cristo.” Por essa manchete de primeira mão, Paulo estava disposto a sofrer a mesma perseguição que havia infligido aos outros. A notícia mudou tudo.

E Paulo já não seria a atração principal, mas representaria um papel secundário na história de Deus. Foi Paulo quem disse que o evangelho é “escândalo para os judeus, loucura para os gentios; mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, (…) poder de Deus e sabedoria de Deus” (1 Co 1.23-24).

 

Curso de Inglês CAROL ME ENSINA é bom? Vale a Pena? Funciona? Saiba tudo aqui!

Carol Me Ensina
Será que o curso de inglês Carol Me Ensina é bom mesmo?

Olá amigos! No artigo de hoje, falarei um pouco sobre o curso de inglês online Carol Me Ensina e analisaremos, juntos, se vale a pena ou não investir nesse treinamento.

Sempre que pensamos em começar a fazer um curso de inglês vem aquela pergunta: será mesmo que vale a pena fazer tal curso?

É muito comum encontrarmos diversos cursos de inglês que só fazem promessas milagrosas de alcançarmos a tão sonhada fluência, não é mesmo?

Mas então, como podemos saber se um curso realmente funciona?

Nada como uma avaliação dos comentários e informações para nos deixar mais seguros sobre nossas decisões. Pensando nisso, resolvi escrever sobre o curso de inglês Carol Me Ensina da Carol Capel. Leia o artigo e descubra se realmente estudar inglês no Carol Me Ensina vale a pena.

Importância de se saber inglês

Ainda nos dias atuais, saber inglês é um diferencial e um canal para o sucesso profissional. O inglês é um dos idiomas mais falados no mundo, sendo ele pré-requisito para a realização de muitos trabalhos e atividades do cotidiano.

Mercado de trabalho

Incluir conhecimentos de inglês no seu currículo confere uma enorme vantagem em relação aos seus concorrentes. Além disso, você consegue os melhores cargos pois muitas vagas de emprego vêm exigindo o inglês como pré-requisito.

Aprendendo inglês você aumenta suas chances de:

  • Melhores cargos
  • Maiores salários
  • Mais oportunidades de emprego

Vale a pena lembrar que sabendo inglês você também pode aplicar seus esforços em conseguir experiências de intercâmbio ou mesmo trabalho em outros países.

Comunicação interpessoal

Entendemos como comunicação interpessoal a relação, interação ou diálogo entre dois ou mais indivíduos. Tanto no trabalho, negócios e estudos, saber se comunicar em inglês é uma vantagem e uma oportunidade de se desenvolver profissionalmente.

Não importa de qual área você é ou qual é seu objetivo, saber se comunicar bem em inglês é necessário para você se manter em um mercado tão competitivo.

Claro, você também poderá abrir muitas portas, pois saber se comunicar com qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo é realmente uma habilidade.

Vantagens de se saber inglês

Com a globalização, o inglês se tornou uma língua mais comum e muito utilizada para a comunicação intercultural entre pessoas de diversos países e regiões do mundo.

Boa parte das transações comerciais internacionais (e-mails, relatórios, planos e contratos) são escritas em inglês. A capacidade de escrever, ler, ouvir e falar inglês é benéfica se você busca se posicionar no mercado de trabalho. Fora que, é impagável a experiência de conhecer novas pessoas de diferentes países e culturas, é realmente uma vivência inesquecível.

Confere abaixo a lista de alguns países que são frequentemente destinos turísticos onde você pode realmente precisar aplicar seus conhecimentos de inglês:

  • Austrália
  • Nova Zelândia
  • Caribe
  • Belize
  • Jamaica
  • Suécia
  • Cingapura
  • Holanda
  • Argentina
  • Estados Unidos

Aprendendo inglês à distância

A educação à distância veio como uma abordagem fácil e acessível para as pessoas. Esse tipo de sistema garante um aprendizado diferenciado e flexível em termos de conteúdo e duração.

O material fica acessível, e você pode consulta-lo a qualquer momento.

Levando em consideração tudo isso, você pode ter uma noção do quanto vale a pena fazer um curso de inglês à distância.

E falando nisso, o curso de inglês Carol Me Ensina combina uma metodologia nova e exclusiva de educação à distância, onde você pode aprender inglês ao passo que vivencia situações reais do uso desse idioma.

Curso de inglês Carol Me Ensina funciona mesmo? Vale a pena o investimento?

O curso foi criado em 2016 pela Carol Capel com o intuito de ajudar brasileiros a se comunicar em inglês de uma forma didática e realista.

Percebendo a dificuldade do seu público e com um background inigualável, a Carol criou o seu próprio método de ensino inspirada na metodologia de Oxford. Não é para qualquer um não!

A autora do curso tem uma vasta experiência em diversas instituições, além de ter realizado uma série de viagens internacionais. Isso fez com que ela adquirisse uma base formada pelo seu conhecimento e vivências reais com o idioma inglês.

Fazer o curso Carol Me Ensina é uma verdadeira experiência, você tem a sua disposição um material exclusivo e acessível. O aluno ou aluna aprende através de lições da vida real, nada será monótono ou cansativo como os métodos tradicionais. Aqui você aprende coisas que NUNCA viu em qualquer outro curso de inglês.

Para quem é destinado o curso de inglês Carol me ensina?

Está cansado ou cansada de gastar tanto tempo e dinheiro em cursos de inglês e não obter o resultado desejado?

Não se desespere, pois, com o curso Carol me Ensina você terá o melhor custo-benefício do mercado. O curso é destinado para aqueles que possuem dificuldade em se adequar aos métodos tradicionais de ensino do inglês e também para quem quer gastar pouco e aprender MUITO.

Isso mesmo, o curso Carol me Ensina é garantia de aprendizagem.

Como funciona o curso de inglês da CAROL ME ENSINA?

O curso é composto por 7 módulos com duração de um mês cada. Parece mentira, mas você vai levar apenas 7 meses para se tornar um expert em inglês.

Os módulos do curso são divididos em:

  • Basic 1
  • Basic 2
  • Intermediate
  • Advanced 1
  • Advanced 2 – Módulo de conversação
  • Expert
  • Vocabulary
  • EXTRA: Oitavo módulo é um preparatório para o exame do IELTS

Qualquer pessoa independentemente da idade e nível de inglês pode fazer o curso.

[su_divider top=”no” divider_color=”#ff1616″ link_color=”#ff1010″]

[su_highlight background=”#ff1616″] CLIQUE AQUI PARA SABER MAIS SOBRE O CURSO ◄[/su_highlight]

[su_divider top=”no” divider_color=”#ff1616″ link_color=”#ff1010″]

A metodologia adotada é baseada na escrita, leitura, fala e compreensão da língua inglesa de acordo com a experiência que a Carol obteve durante seus estudos na Universidade de Cambridge.

Além do mais, para quem busca certificação, existe um oitavo módulo que é um preparatório para o exame do IELTS. Vale a pena conferir!

Você ainda ganha um certificado de conclusão do curso e o material, que é GRATUITO e exclusivamente desenvolvido pela Carol Capel.

O mais fantástico é que tudo isso custa apenas R$ 119 (cento e dezenove reais) por mês com diversas formas de pagamento, super flexível e acessível, não acha?

Se você ainda tem dúvidas sobre o curso, CLICA AQUI para mais informações.

Vantagens do curso Carol me Ensina

O curso garante um conjunto de vantagens para você que busca “sobreviver” a situações reais do uso do inglês.  O curso vai te ajudar a ter a tão buscada autonomia e fluência, se comunicando com qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo.

Mas vale ressaltar que o curso também não deixa a desejar na parte gramatical, conhecimentos importantes principalmente para aqueles que buscam estudar fora do Brasil.

Você ainda tem um contato prévio de como é a vida fora do Brasil com ninguém mais que a Carol, que já viajou por diversas partes do mundo.

Com a compra do curso Carol Me Ensina você garante:

  • Mais de 270 vídeos aulas exclusivas
  • Diversas listas de exercícios com as respectivas resoluções
  • Aprendizado da vida real
  • Metodologia nova e exclusiva desenvolvida pela Carol Capel

[su_divider top=”no” divider_color=”#ff1616″ link_color=”#ff1010″]

[su_highlight background=”#ff1616″] CLIQUE AQUI PARA SABER MAIS SOBRE O CURSO ◄[/su_highlight]

[su_divider top=”no” divider_color=”#ff1616″ link_color=”#ff1010″]

Aprendizagem garantida

A professora garante e assino embaixo: o curso Carol Me Ensina realmente assegura sua aprendizagem.

Com uma linguagem de fácil entendimento e abordagem mais pessoal, o curso te oferece a possibilidade de aprender com alguém que vivenciou a língua inglesa de fato.

Se você pretende viajar, trabalhar ou estudar no exterior, nada mais justo que oferecer um curso que aborda problemas reais do aprendizado do inglês, não é mesmo? Abaixo você confere algumas das possibilidades que o curso oferece:

  • Fazer pedidos em restaurantes e cafés
  • Fazer perguntas pessoais e pedir informações
  • Realizar reuniões e conferências
  • Falar sobre diversos temas
  • Descrever as pessoas (aparência e personalidade)
  • Falar sobre você mesmo
  • Escrever histórias simples e complexas

Essas e outras possibilidades, você encontra no curso. Já deu para notar a abordagem pessoal e aplicada, não é mesmo?

[su_button url=”https://maiseducativo.com.br/comprar-carol-me-ensina” style=”3d” background=”#fde400″ size=”10″ wide=”yes” center=”yes” radius=”0″ icon=”icon: arrow-right” text_shadow=”1px 1px 1px #000000″ desc=”Clique Aqui Para Inscrever-se No Curso” rel=”nofollow” title=”CLIQUE AQUI”]SIM, EU QUERO APRENDER INGLÊS![/su_button]

Depoimentos

Caso você ainda tenha dúvidas sobre a veracidade da metodologia do curso Carol Me Ensina, vale conferir a série de depoimentos de alunos e ex-alunos.

Por uma “boca só” você lê e escuta pessoas falando o quanto elas aprenderam e descobriram coisas novas através do curso da Carol. Confira os vídeos abaixo.

Conclusão: vale a pena!

Nós brasileiros temos uma dificuldade de ter acesso a cursos de inglês de qualidade e com preços amigáveis. Isso só potencializa nosso déficit no inglês, um idioma tão requisitado e importante.

Através do estudo do inglês aumentamos as vantagens e possibilidades profissionais e pessoais. Cursos de qualidade e acessíveis são de fato poucos, o que muitas vezes nos desmotiva a correr atrás de aprender inglês. Por isso que eu falo que o curso Carol Me Ensina é uma oportunidade única de aprender com material de qualidade, uma professora jovem e autêntica, e uma metodologia inovadora e exclusiva baseada em situações da vida real.

Com o curso Carol Me Ensina tais dificuldades já não existem, e aprender inglês se tornou divertido e fácil. A metodologia criada e aplicada no curso é quase sensacional e de fato funciona.

Vale muito a pena você investir no curso Carol Me Ensina.

[su_button url=”https://maiseducativo.com.br/comprar-carol-me-ensina” style=”3d” background=”#fde400″ size=”10″ wide=”yes” center=”yes” radius=”0″ icon=”icon: arrow-right” text_shadow=”1px 1px 1px #000000″ desc=”Clique Aqui Para Inscrever-se No Curso” rel=”nofollow” title=”CLIQUE AQUI”]SIM, EU QUERO APRENDER INGLÊS![/su_button]

Sintomas! – Palavra de Deus para você

LEITURA: Hebreus 5.11-14

…porque vocês se tornaram lentos para aprender” (Hb 5.11).

Que acontece quando os cristãos “balançam” na fé em Cristo? Quais são os sintomas da deficiência espiritual? Talvez você saiba a resposta, por experiência própria ou por conhecer pessoas assim. A comunidade cristã que foi alvo da Carta dos Hebreus, passava por uma crise espiritual. Embora cristãos, tornaram-se apáticos, lerdos na compreensão do Evangelho (5.11).

 

Esta situação, levou-os em direção a decadência espiritual. Quando estudavam as Escrituras, levava um tempão para “cair a ficha”. A conseqüência imediata é que se tornaram desanimados quanto a fé (12.3,12). Quando se está desanimado, não há interesse em estudar a Bíblia, e até do que se sabe, começa a se duvidar.

Uma outra atitude que havia alcançado estes cristãos, era a perda do costume de se reunirem como “corpo de Cristo” para a comunhão de uns com os outros (10.25). Assim agimos nós, também. Encontramos uma série de desculpas para não participar de nada. Outras atividades ganham prioridade.

O argumento mais comum é a falta de tempo. Quando isto acontece, um perigo terrível ronda nossa vida espiritual. Corremos o risco de nos tornarmos apáticos na fé e vítimas fáceis de novos ensinamentos, que desvirtuam a Palavra de Deus, interpretando-a como melhor nos convém. A situação havia chegado a tal ponto, que pessoas, conhecedoras da graça de Deus, estavam pensando, seriamente, em abandonar a fé em Cristo. O risco que corriam, era extremamente perigoso. Uma vez, renegando a fé em Cristo, não havia mais nada a fazer por elas, a não ser aguardar o julgamento de Deus.

Quem, um dia, conheceu a Cristo de maneira pessoal, tomou uma decisão de andar com Ele, mas, por quaisquer razões, tem se descuidado de seu relacionamento com Deus, precisa rever, com urgência esta situação. Voltar a prática da vida cristã, sem distorções, é a melhor decisão para hoje.

Se os sintomas não desaparecerem, procure imediatamente ajuda espiritual.

Um novo dia começa – bênção do dia

Mas a terra que passais a possuir é terra de montes e de vales: da chuva dos céus beberão as águas; terra de que cuida o Senhor vosso Deus: os olhos do Senhor vosso Deus estão sobre ela continuamente, desde o princípio até o fim do ano. (Dt 11.11,12.)

Estamos hoje, amado leitor, às portas do desconhecido. Diante de nós estende-se um novo dia; vamos conquistá-lo pouco a pouco. Quem poderá dizer o que teremos pela frente? Que mudanças virão, que novas experiências, que necessidades? Mas aqui está a mensagem de nosso Pai Celeste — mensagem de ânimo, de conforto, de contentamento: “… os olhos do Senhor vosso Deus estão sobre ela continuamente, desde o princípio até ao fim do ano.”

Sim, do Senhor vem toda a nossa provisão. Nele encontramos a fonte que nunca seca; mananciais e ribeiros que jamais se estancarão. Em Cristo, ó ansioso, está a promessa cheia da graça que nos vem do Pai. E se ele é a fonte das misericórdias, nunca nos faltará misericórdia. Nem calor nem seca poderão pôr fim àquele rio, “cujas correntes alegram a cidade de Deus”.

A Terra está cheia de montes e vales. Não são só planícies, nem só declives. Se a vida fosse sempre a mesma, ficaríamos oprimidos com a sua monotonia: nós precisamos dos montes e dos vales. Os montes recolhem as chuvas para centenas de vales frutíferos. Assim acontece também conosco: é o monte da dificuldade que nos eleva ao trono da graça e nos traz de volta com chuvas de bênçãos. Os montes, esses montes ásperos da vida, diante dos quais nos espantamos e contra os quais às vezes murmuramos, eles nos trazem águas. Quantos têm perecido no deserto, quando poderiam ter vivido e prosperado em terra montanhosa! Quantos teriam sido abatidos pela neve, açoitados pelos ventos, despojados de suas flores e frutos, não fosse a proteção dos montes — rijos, duros, ásperos, tão difíceis de galgar! Sim, os montes de Deus são para o seu povo uma proteção contra os inimigos.

Não podemos ter ideia do efeito que estão tendo em nossa vida as perdas, as dores, as aflições. Confiemos apenas. O Pai vem bem perto, para tomar a nossa mão e guiar-nos hoje pelo caminho. Será um bom, um abençoado ano novo!

Segue ao pé do bom Pastor Cada dia.

Nele tens todo o sustento,

Tudo de que necessitas

Que luxo!

LEITURA: Salmo 73.1-28

“Pois tive inveja dos arrogantes quando vi a prosperidade desses ímpios” (SI 73.3).

A confissão de Asafe, autor deste salmo, é impressionante. Corajosamente descreve a inveja que sentiu dos homens que não conheciam a Deus. Quis ser como eles. Quase tropeçou na vida espiritual. Mas, lendo o relato de Asafe, quem não teria inveja? Eles prosperam financeiramente. Têm o carro do ano, dinheiro sobrando para gastar no que o coração pedir (v. 3). Já pensou não ter problemas financeiros, nem se preocupar quando o mês vai terminando?

Não passam por sofrimentos. Sempre sorrindo e de bem com a vida. Nada os perturba. Possuem o corpo saudável e forte. São atletas. Modelos. Não têm problemas de saúde e são admirados pela beleza. São sucesso em todo lugar (v. 4,5). Porém, nem tudo são flores na vida desses semideuses. Por causa do sucesso, o orgulho lhes serve de colar (v. 6). No Brasil, dizemos — “colocar uma melancia no pescoço, só para aparecer”. A violência está presente e quantos não morreram por ela? São orgulhosos, arrogantes, zombadores e de caráter duvidoso. Ótimos de discursos e parecem ter a solução dos problemas (v. 9). Cada dia ficam mais ricos e mais poderosos (v. 12).

Quando nos sentirmos assim, duvidando se vale a pena ser cristão, basta olhar para Deus e ver o fim deles (destruição, ruína, desilusão e medo (v. 17-22) A fé em Jesus e a confiança que Ele supre nossas necessidades, são motivos de alegria. Podemos não ter o sucesso, nem o visual dos famosos, mas temos a promessa de socorro do Pai. Nosso tesouro não é daqui, mas lá onde Ele habita. De fato, temos todos os motivos para sermos felizes!

O sucesso dos poderosos representa o seu próprio fracasso.