A Linguagem como atividade socioeducativa

Para explicar os segredos do sucesso no mundo empresarial, o que um jornalista deveria produzir?

Dificilmente, você pensará em um verbete de enciclopédia, um poema, uma letra de canção, um rótulo de produto alimentício, um cardápio, um conto,’uma fábula ou uma HQ. E por quê?

Espera-se que um jornalista, em razão da função que desempenha, escreva artigos de opinião, editoriais, notícias, que faça entrevistas, análises econômicas, políticas, esportivas, dependendo do segmento em que atua, pois esses são os gêneros mais comuns à esfera jornalística.

Na verdade, certas profissões, situações e organizações sociais podem estar associadas a um número limitado de tipos de textos. O uso ordenado desses textos constitui, em parte, a própria atividade e organização dos grupos sociais.

Assim, as pessoas vão criar novas realidades de significação, relações e conhecimento, fazendo uso de certos textos.

Pense agora na sua escola, onde circulam alunos e professores. Em um conselho de classe, os docentes, os coordenadores e o diretor decidem os critérios relacionados ao sistema de avaliação. Esses critérios são registrados em ata. Após essa decisão conjunta, cada . educador, em sua disciplina, deverá avaliar seus alunos utilizando pelo menos quatro instrumentos diferentes, como, por exemplo: um teste escrito de múltipla escolha, uma prova dissertativa, um seminário, um conjunto de exercícios práticos, um estudo de caso, um relatório de leitura, uma apresentação oral em feira escolar, um ensaio, um relatório de experiência, entre outros. Assim, os professores receberão um memorando, e os estudantes, um documento de orientação para que, no decorrer do bimestre, possam produzir os quatro tipos de textos escolhidos para compor a nota bimestral. Os resultados obtidos serão registrados em boletins expedidos aos pais. Ao término de um nível, se todas as exigências forem cumpridas, os alunos receberão seus certificados.

Toda essa sequência de eventos gera muitos textos, que só foram produzidos porque ocorreram fatos sociais. Em geral, esses registros não poderiam existir se as pessoas não os realizassem por meio da criação textual: ata, memorando, teste, seminário, estudo de caso, relatório de leitura, boletins, certificados e assim por diante. Nesse ciclo de textos e atividades são constituídos sistemas organizacionais bem articulados nos quais tipos específicos de textos circulam por caminhos previsíveis, com consequências já conhecidas e, de certo modo, de fácil compreensão.

Entenda isso:

  • Cada texto encontra-se encaixado em atividades sociais estruturadas e depende de textos anteriores que influenciaram a atividade e a organização social.
  • Cada texto estabelece condições que, de alguma forma, são consideradas pelas atividades subsequentes e pelos produtores de novos textos.
  • Os textos da esfera escolar, no exemplo citado, criam realidades e fatos, pois os alunos e os professores vivem de modo interativo, em um modo de vida organizado, confirmado por suas ações.
  • Cada texto bem-sucedido cria para seus leitores um fato social que consiste em ação social significativa, realizada por meio de uma forma textual padronizada, típica, compreensível em sua totalidade, por sua função e propósito. Daí a noção de gênero textual.

Por que, então, estudar gêneros?

É preciso compreender cada gênero e seu funcionamento dentro dos sistemas e nas circunstâncias para as quais são produzidos. Tal compreensão ajudará o leitor e produtor de novos textos a satisfazer as necessidades da situação a que for exposto, esforçando-se para que sejam compreensíveis e correspondam às expectativas dos outros. O leitor também perceberá que determinados textos, até certo ponto bem escritos, são redundantes, incompletos, não funcionam. Compreenderá que mesmo bem escritos, alguns textos podem ser enganosos, não oficiais, com uma fina ironia inconveniente ou uma inovação fora de lugar.

Então, terá que decidir se realizará uma intervenção do tipo denúncia, do tipo exclusão, justificativa ou se apenas uma modificação, com indicação de quem a fez, é o suficiente.

Exemplificando: em casa, entre amigos, vocês tanto poderão selecionar um canal de TV quanto acessar a internet e localizar um site comercial, abrir o perfil de alguma rede social, procurar um livro na estante, folhear uma revista, etc. Os diferentes textos introduzidos nessas ações geram diversas atividades, padrões interativos, novas atitudes e relações. A escolha por um ou outro influenciará se irão comentar uma notícia, consultar o preço de um produto, conferir o endereço e o horário de funcionamento de alguma lanchonete, conversar, contar uma piada, sugerir a leitura de um livro interessante. Novas atividades de interação são continuamente proporcionadas até que uma outra seja introduzida ou o encontro de amigos seja encerrado.

➡️ Lista completa de exercícios sobre predicado

No segundo ano do Ensino Médio, estudamos os termos essenciais da oração. dentro desse tópico, algumas aulas são dedicadas ao estudo do predicado. Embora não seja algo explorado pelo Enem, o estudo gramatical pode contribuir para formar estudantes que se expressam melhor de forma escrita e, aí sim, o Enem entra na pauta. Faça os exercícios abaixo. Caso tenha alguma dúvida, escreva nos comentários.

Lista de exercícios sobre predicado

1) Separe o sujeito do predicado nas frases abaixo e classifique o predicado em: predicado verbal, predicado nominal ou predicado verbo nominal.

a) O rapaz estava inquieto.

b) Nós precisamos de você aqui.

c) Muitas pessoas brasileiras veem essa desertificação irritadas.

d) A economia daquele país continua atrasada.

e) A menina abandonou a sala revoltada.

f) Renata olhava o mar pela janela.

g) Nós achamos o filme engraçado.

2) Como explicitado na teoria apresentada acima, verificamos que os adjetivos desempenham uma função diferente nas orações, de acordo com o termo a que eles estão caracterizando. Assim, analise e classifique os termos destacados nas orações abaixo como predicativo do sujeito ou do objeto:

a) O jornalista transmitiu a notícia aos leitores ansiosos.

b) Saíram assustados.

c) O professor está ausente.

d) O menino dormia satisfeito.

e) Ela parecia espantada.

f) Houve informações satisfatórias.

g) A dor permanecia insuportável.

h) A professora elogiou-o satisfeita.

i) A caneta apareceu quebrada.

j) O pássaro voou

k) A dor torna os homens mais sensatos.

l) O valente guerreiro chegou abatido.

3) O autor fez uso de que tipo de predicado na tira do personagem Garfield?

 

a) Predicado nominal.

b) Predicado verbo nominal.

c) Predicado verbal.

d) Predicado nominal e verbal.

e) Predicado verbal e verbo nominal.

4) A transitividade verbal dos verbos (entendi e vou ficar) encontrados no texto II se classifica em:

a) Transitivo indireto e intransitivo.

b) Intransitivo e transitivo indireto.

c) Transitivo direto e transitivo direto.

d) Transitivo indireto e transitivo indireto.

e) Intransitivo e intransitivo.

5) Leia este poema de Vinícius de Moraes e indique a transitividade dos dois únicos verbos ( pensem – esqueçam):

             Rosa de Hiroshima

Pensem nas crianças

Mudas telepáticas

Pensem nas meninas

Cegas inexatas

Pensem nas mulheres

Rotas alteradas

Pensem nas feridas

Como rosas cálidas

Mas, oh, não se esqueçam

Da rosa da rosa

Da rosa de Hiroshima

A rosa hereditária

A rosa radioativa

Estúpida e inválida

A rosa com cirrose

A anti-rosa atômica

Sem cor sem perfume

Sem rosa sem nada.

(Vinícius de Moraes)

 

(     ) A. Transitivo direto – intransitivo.

(     ) B. Transitivo direto – transitivo direto.

(     ) C. Transitivo indireto – transitivo indireto.

(     ) D. Transitivo indireto  –  transitivo direto.

(     ) E. Intransitivo – transitivo indireto.

 

  1. O termo sublinhado nas frases deve ser classificado com o seguinte código:

(1) Sujeito simples.                   (2) Sujeito indeterminado.

(3) Oração sem sujeito.            (4) Verbo transitivo direto.

(5) Objeto direto.                      (6) Predicativo do sujeito.

 

(       ) Aconteceram grandes mudanças naquela empresa.

(       ) São dez horas.

(      ) O trabalho, finalizei!

(      ) As mulheres conquistaram um espaço na sociedade de grande importância.

(      ) permanecem amigas a Laura e a Tatiana.

➡️ Tudo Sobre Intertextualidade – exercícios com gabarito

As pessoas habituadas à leitura sabem que é comum a prática de um texto reportar-se a outro, citando passagens maiores ou menores deste.

A esse procedimento dá-se o nome de intertextualidade ou de relações intertextuais.

Não se trata de plágio, mas de um recurso muito usual, por meio do qual um texto retoma fragmentos do outro para estabelecer com ele dois tipos básicos de relação:

• de acordo ou compatibilidade

• de desacordo ou incompatibilidade.

Interessante é saber que, inicialmente temos duas divisões. São elas:

intertextualidade explícita

  • é facilmente identificada pelos leitores;
  • estabelece uma relação direta com o texto fonte;
  • apresenta elementos que identificam o texto fonte;
  • não exige que haja dedução por parte do leitor;
  • apenas apela à compreensão do conteúdos.

intertextualidade implícita

  • não é facilmente identificada pelos leitores;
  • não estabelece uma relação direta com o texto fonte;
  • não apresenta elementos que identificam o texto fonte;
  • exige que haja dedução, inferência, atenção e análise por parte dos leitores;
  • exige que os leitores recorram a conhecimentos prévios para a compreensão do conteúdo.

Pensando agora nos tipos de intertextualidade mais comuns, temos:

Por meio de citação demarcada

Nesse caso, o enunciador do texto declara explicitamente que está fazendo citação de outro e demarca, por indicadores gramaticais, os seus limites. Quando se trata de um texto de natureza científica ou acadêmica, a praxe manda indicar a fonte com precisão.

Por meio de citação não demarcada

Muito comum em textos de natureza literária, esse tipo de citação se faz sem anúncio e sem marcadores gramaticais. Tudo se passa como se fizesse parte do texto que está sendo lido. O enunciador confia à memória do leitor (ou ouvinte) a percepção de que se trata de citação e a identificação da sua procedência. Cria um pacto de cumplicidade entre o leitor e o ouvinte.

Por meio de imitação de estilo

Um texto pode fazer referência a outro sem citar materialmente as palavras ou quaisquer signos do outro texto. A relação intertextual, no caso, é estabelecida pela imitação de traços de estilo típicos do texto citado.

Além desses, considero também intertextualidade o uso da paráfrase, da paródia, da alusão e o hipertexto e outros.

Quais são os tipos de intertextualidade

Paráfrase

Na paráfrase, a intertextualidade incide na temática. Há uma reafirmação das ideias do texto fonte. É utilizado um tema previamente explorado por outro autor na criação de um novo texto com estrutura e estilo próprios.

Exemplo de paráfrase:

“Minha terra tem palmeiras / onde canta o sabiá…” (Canção do exílio, Gonçalves Dias)
“Moro num país tropical / abençoado por Deus / e bonito por natureza…” (País Tropical, Jorge Ben Jor)

Paródia

Na paródia, ocorre a subversão da temática do texto fonte, alterando e contrariando o que foi expresso anteriormente de forma irônica e satírica. Visa a crítica e a reflexão, promovidas através de um momento de fruição e jocosidade.

Exemplo de paródia:

Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé. (ditado popular)
Se Maomé não vai à montanha, a montanha vaia Maomé. (paródia)

Referência ou alusão

Na referência ou alusão, é feita a sugestão ou insinuação de um acontecimento, personalidade, personagem, local, obra,… Não é apresentada a intertextualidade de forma direta, mas sim através da apresentação de características simbólicas.

Exemplo de referência ou alusão:

A mais bonita de todas era sem dúvida Helena – a minha filha e não a outra.
(Alusão a Helena de Troia, a mulher mais bonita do mundo)

Citação

Na citação, ocorre uma intertextualidade direta, havendo a reprodução de parte do texto fonte. Há uma transcrição das palavras de outro autor, devidamente destacada com aspas e com a identificação desse autor. A citação visa conferir credibilidade ao novo texto.

Exemplo de citação:

Segundo Bechara (2015, p.276), “o verbo se diz pronominal quando o pronome oblíquo se refere ao pronome reto”.

Epígrafe

Na epígrafe, um autor utiliza uma passagem de um texto fonte para iniciar um novo texto, estabelecendo uma relação com essa passagem na criação da nova criação. É muito utilizada em trabalhos acadêmicos, atuando como um pensamento que serve de base à obra.

Exemplo de epígrafe:

“Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.” (Paulo Freire)

Pastiche

No pastiche, há a imitação direta do estilo de outros autores, mesclando esses diversos estilos numa única obra. Aparece como uma criação independente, sem o intuito de criticar ou satirizar. O pastiche é muito utilizado em músicas e imagens.

Exemplo de pastiche:

“Quis gravar “amor”
no tronco de um velho freixo:
“Marília”, escrevi.”
(Manuel Bandeira)

Tradução

A tradução é a passagem de um texto de uma língua estrangeira para a língua nativa de um determinado país. É considerada uma intertextualidade por haver diferentes interpretações e pela possibilidade de uso de diferentes expressões na adequação à realidade da nova língua.

Exemplos de tradução:

Nós amamos com um amor que era mais do que amor.
“We loved with a love that was more than love.” (Edgar Allan Poe)

Exercícios de intertextualidade com gabarito

1. No volume sobre Gonçalves Dias, da coleção Nossos Clássicos, da Editora Agir, preparado pelo poeta Manuel Bandeira, o poema “Canção do Exílio” vem precedido de uma epígrafe em alemão, traduzida pelo próprio Bandeira em nota de rodapé. O próprio poema Canção do Exílio, tão parafraseado e explorado intertextualmente, começa com uma citação. Vamos transcrever o poema inteiro com a epígrafe e sua tradução.

Canção do exílio

Kennst du das Land, wo die Citronen Im dunkein Laub die Gold-Orangen glühn,
Kennst du es wohl?- Dahin, dahin!
Mõchfich… ziehnP

Goethe

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar – sozinho, à noite -Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Sem qu’inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

(*) Citação incompleta da primeira estrofe da balada Mignon “Conheces o país onde florescem as laranjeiras? Ardem, na escura fronde os frutos de ouro… Conhecê-lo? Para lá, para lá, quisera eu ir!”

a) Manuel Bandeira traduz, em nota de rodapé, a citação em alemão feita por Gonçalves Dias. O efeito de sentido seria o mesmo se a citação já viesse traduzida na epígrafe?

[otw_shortcode_content_toggle title=”Clique aqui para ver o gabarito” opened=”closed” icon_type=”general foundicon-checkmark”]Não. O sentido poderia ser o mesmo, mas o efeito de sentido seria outro. A citação em alemão cria uma aura de certa magia, dá maior credibilidade à edição do poema, cria a impressão de verdade, de que se trata de uma versão do poema que merece respeito. Além disso, Inscreve o poema de Gonçalves Dias dentro de uma concepção de arte e de literatura mais ampla, de dimensões internacionais.[/otw_shortcode_content_toggle]

b) O poeta traduz o alemão, mas não dá nenhuma nota sobre Goethe. Por que omite informações sobre o autor da epígrafe?

[otw_shortcode_content_toggle title=”Clique aqui para ver o gabarito” opened=”closed” icon_type=”general foundicon-checkmark”]Porque se trata de um dos maiores poetas da humanidade e, em vista dessa notoriedade, o autor do poema supõe que o leitor o conheça e, caso não, que procure conhecê-lo, dada a sua importância no cenário da literatura mundial.[/otw_shortcode_content_toggle]

c) Entre a citação contida na epígrafe e o texto de Gonçalves Dias existe uma relação de acordo ou desacordo? Justifique a sua resposta.

[otw_shortcode_content_toggle title=”Clique aqui para ver o gabarito” opened=”closed” icon_type=”general foundicon-checkmark”]A relação é de total acordo. Primeiro, pelo tema de exaltação da natureza; segundo, pelo amor à pátria; terceiro, pelo tom altamente emotivo e sentimental manifesto pela nostalgia da pátria.[/otw_shortcode_content_toggle]

Lista de exercícios de substantivo para EM

Neste artigo, quero compartilhar com vocês alguns exercícios sobre sujeito que levei para sala de aula nas últimas semanas. Entender um pouco mais sobre análise sintática pode nos ajudar, inclusive, na interpretação de textos. Depois de ver os exercícios abaixo, deixe seu comentário e compartilhe este artigo com seus amigos ou alunos. Caso você queira aprender a fazer uma redação para o Enem, comece a estudar pelo curso Segredos da Redação Perfeita.

Lista de exercícios sobre predicado e sujeito

1) Localize o sujeito fazendo as perguntas QUEM? ou O QUÊ? (antes do verbo):

a) Márcia e Lucas são excelentes alunos.

b) Caminhava pensativo o cachorrinho.

c) Meu irmão cortou a grama hoje.

d) Os alunos de nossa escola estão organizando uma festa.

e) Carolina e Marcelo são os melhores alunos da sala.

2) Circule o sujeito e sublinhe o predicado nas seguintes orações:

a) A torcida deixou o estádio decepcionada.
b) Fez grande sucesso na Europa a jovem cantora.
c) Aconteceu hoje um monumental engarrafamento de trânsito.
d) Está crescendo o consumo de energia elétrica.
e) Seis atores compõem o elenco da peça.
f) Os computadores estão invadindo escolas e escritórios.
g) O resultado não surpreendeu a ninguém.
h) Praticam regularmente esportes nossos filhos.

3) Ligue cada sujeito (coluna I) ao seu predicado (coluna II):

Obs.: Este aqui você precisa imprimir para fazer!

sujeitos
A festa
As crianças
O hospital
A garotinha
Eu

predicados
• estudei bastante para a prova.
• completou sete anos.
• acabou muito cedo.
• adoram brincar.
• recebeu novos equipamentos.

4) Escreva se é sujeito ou predicado o trecho destacado em cada uma das orações:
a) Os meninos estavam entretidos com o carrinho.
b) O Brasil reserva muitas surpresas ao turista.
c) Viajaram às pressas o fidalgo e seu escudeiro.
d) À noite, o trem sempre sai atrasado.
e) Todas as crianças parecem satisfeitas com o lanche.

Exercícios sobre tipos de sujeito

5) Sublinhe o núcleo ou os núcleos, se houver, depois diga se o sujeito é simples ou composto:
a) A chuva de pedra destruiu as plantações.
b) Cão e gato se encontraram no quintal.
c) Chegaram o gerente, a secretária e duas telefonistas da empresa.
d) Pequenas embarcações deixavam a praia logo cedo.
e) Os motoristas protestaram contra o aumento do pedágio.
f) A chácara e o sítio foram colocados à venda.
g) Não faltaram na avenida samba e mulatas.
h) As duas meninas passeavam pela calçada.
i) Passaram no vestibular quatrocentos alunos.
j) Nadavam lado a lado o brasileiro e o japonês.
k) Os exercícios são fáceis.
l) As andorinhas e os sabiás voavam pelo céu.
m) Os ensaios de hoje foram muito cansativos.
n) As novelas e propagandas não acrescentam nada à vida.
o) As uvas, os morangos e os mamões estão maduros demais!
p) Os dois garotos gostaram do filme.
q) A pequena criança parecia feliz com seu novo brinquedo.

6) Diga qual é o sujeito das orações abaixo conforme o modelo:

Rasguei o envelope. Sujeito oculto: EU

a) Não insistirei mais.
b) Queremos um representante nosso na diretoria.
c) Esperas alguma colaboração desse pessoal?
d) Levou o animal ao veterinário.
e) Procuraremos um bom dentista.
f) Hoje poderei dar-lhe uma resposta
g) Cantas muito bem!
h) Amanhã venderemos o seu carro.

7) “No domingo, chegou uma visita para nós.” O núcleo do sujeito é:
a) domingo
b) visita
c) nós
d) n.d.a

Exercícios de elementos da comunicação

Neste artigo você verá uma série de exercícios de Português sobre os elementos da comunicação. Há grandes chances de que esse assunto seja estudado nos primeiros anos do Ensino Médio e também caia na prova do Enem. Por este motivo não é um conhecimento desnecessário. Veja aí os exercícios que são fáceis de resolver. Deixe nos comentários suas respostas que vamos responder logo mais para você. Confira ainda a nossa lista de atividades revisionais que publicamos neste link.

Lista de exercícios sobre Elementos da Comunicação

1 – Um bom leitor saberá ler os textos que se apresentam no seu cotidiano, sejam eles verbais ou não- verbais. Com base nessa informação faça a leitura desses textos e diga o que eles estão representando.

Lista de exercícios de elementos da comunicação

a)
b)

2 – São exemplos de linguagem não-verbal: (marque um X na alternativa correta)

a) sinais de trânsito e uma conversa informal entre alunos e professores.
b) cores das bandeiras e dos semáforos.
c) cantigas infantis.
d) discursos políticos.
e) apitos e discurso políticos.

Texto para os exercícios 3 e 4.

 Ando tão à flor da pele

Que qualquer beijo de novela me faz chorar

Ando tão à flor da pele

Que teu olhar flor na janela me faz morrer

Ando tão à flor da pele

Que meu desejo se confunde

Com a vontade de não ser

Ando tão à flor da pele

Que minha pele tem o fogo

Do juízo final

[…]

( Zeca Baleiro.Flor da Pele)

3 – Qual dos elementos de comunicação os verbos e pronomes desse texto privilegiam?

4 – Esse texto:
a) põe um destaque o receptor.
b) contém um emissor que procura influenciar o receptor.
c) usa o código para falar do próprio código.
d) ressalta as sensações do emissor.
e) questiona o ato de escreve.

5 – De acordo com o texto abaixo, identifique os seguintes elementos da comunicação:

“Um menino, jogando bola na rua, quebra a vidraça do Sr. Manuel. Furioso, ele grita:

_ Moleque danado. Seu pai var ter que pagar!

O garoto, então, foge em disparada.”

Emissor:
Mensagem:
Receptor:
Canal:
Código:

6 – Tanto um homem sulista quanto o nordestino se comunicam com facilidade, embora empreguem linguagens específicas. Que componente interfere no ato de fala de cada um? Comente sua resposta.

7 – Um surdo-mudo é capaz de se comunicar. Por quê? Sua resposta deve ser elaborada em cima do tema   “ tipos de linguagem.”

Lista de exercícios revisionais para agosto 2018

Esta é mais uma lista de exercícios bastante interessante para usar como revisão ou mesmo como atividade-extra para turmas de segundo ano do Ensino Médio. Vamos continuar, assim, os nossos estudos de análise sintática: sujeito, predicado, adjunto adnominal, adjunto adverbial, objetos, complemento nominal e agente da passiva. Além disso, estudamos os gêneros poema – quando conhecemos as figuras de linguagem –, anúncio publicitário e carta argumentativa. é bem importante que o aluno estude a teoria sobre o assunto e que volte aos enunciados cada vez que tiver dúvida.

Lista de exercícios de Português

Observe atentamente o anúncio publicitário abaixo para responder às questões que virão a seguir:

Considerando seus conhecimentos sobre esse gênero  analise o anúncio recebido.

1. Qual é o serviço anunciado? Qual é a sua função?

2. Qual é a mensagem passada pela imagem? Por que você acha que o anunciante escolheu esta imagem para este anúncio?

3. Qual é a relação entre o texto verbal e o texto não-verbal?

4. Qual é a ideia associada ao produto para despertar o interesse do leitor do anúncio?

5. Leia com atenção a carta abaixo e, em seguida, responda às questões que virão abaixo.

Brasília, 30 de julho de 2009.

Excelentíssimo Senhor Presidente José Sarney,

Com as minhas considerações, venho tratar de um assunto bastante recorrente na mídia nos últimos meses, o qual envolve diretamente V. Exa., como Presidente do Senado Federal, Casa pela qual tenho o maior respeito. Trata-se de denúncias de favorecimento a vários senadores, por via de Atos Secretos, inclusive o Senhor, fato que envergonha a todos nós, brasileiros.

A minha visão é de que o Senhor Presidente deveria pedir afastamento do cargo. Sem querer fazer um julgamento precipitado, mesmo porque todos são inocentes até que se prove o contrário, o fato é que as denúncias existem e não são simples. São muitos os indícios de beneficiamento ilícito, como casos de nepotismo e aumento de verba indenizatória, sem publicação nos devidos órgãos de imprensa oficiais. Vossa Excelência aparece ligado a diversos desses Atos e, por isso, acho que sair, pelo menos temporariamente, seria uma prova de que pretende colaborar com as investigações.

Tais investigações constituem um elemento decisivo para a transparência pública, uma vez que a sociedade precisa ter conhecimento de como o dinheiro de seus impostos e tributos estão sendo aplicados. Num país em que a educação e saúde, só para citarmos duas áreas, costumeiramente vão de mal a pior, é inadmissível aceitarmos que ocorrências dessa natureza sejam consideradas normais. Por esse motivo, entendo que o Excelentíssimo Senador deve pedir licença, visando sempre ao interesse público.

Como cidadão brasileiro, consciente de minhas obrigações e direitos, é este o meu posicionamento. Se quem não deve não teme, dê-se a chance de esclarecer o que Senhor mesmo chama de denúncias infundadas, e isso só pode ser feito a partir do momento em que não mais ocupar a Presidência dessa Egrégia Casa, pois a sua imagem será desvinculada de toda e qualquer “manobra” que porventura exista para não prolongar o caso.

Com os meus respeitos,

Ricardo Alves

Aponte características da carta acima que indiquem que o texto é uma carta argumentativa.

a) A quem é dirigida a carta acima?

b) Qual é a tese do texto?

c) Aponte dois argumentos que sustentem o ponto de vista do autor.

6. Observe o trecho a seguir:

[…] venho tratar de um assunto bastante recorrente na mídia nos últimos meses […]

7. Identifique e classifique o sujeito da oração acima.

8. Retire dois adjuntos adverbiais e indique as circunstâncias expressas por eles.

9. Dê a predicação do verbo “tratar”.

a) Com relação ao trecho “dê-se a chance […]”, indique a voz verbal utilizada. Justifique a sua resposta.

b) Qual é a função sintática do termo “se”?

10. Ainda sobre o trecho acima, dê a predicação do verbo “dar” e aponte a função sintática do termo “a chance”.

Observe o seguinte excerto:

[…] ocorrências dessa natureza sejam consideradas normais […]

11. Identifique a voz verbal da oração acima. Justifique sua resposta.

12. Dê a função sintática do termo “normais”.

13. Identifique e classifique o predicado da oração em questão.

Observe o trecho seguinte:

[…] Como cidadão brasileiro, consciente de minhas obrigações e direitos, é este o meu posicionamento. […]

14. Retire do excerto acima um aposto.

15. Dê a função sintática do termo “de minhas obrigações e direitos”.

16. Qual a diferença sintática entre o termo do item acima e de “brasileiro”?

5 exercícios sobre subordinadas substantivas

Esta é uma pequena lista de exercícios sobre orações subordinadas substantivas. Costumo preparar listas assim, simples e sem as respostas para que meus alunos resolvam e, depois, conferimos como foram os acertos. É por isso que você não verá o gabarito deste exercício hoje. Futuramente retornarei e farei o gabarito dos últimos exercícios que tenho publicado aqui no site.

Exercícios de Orações Subordinadas substantivas

1. Classifique as orações subordinadas abaixo. Em seguida, diga qual é a função sintática das seguintes orações.

Exemplo: É possível que haja festa.
Resposta: É possível          /         que haja festa

                    Or. Principal               Or. Subord. Subst. Subjetiva

A oração “que haja festa”exerce a função sintática de sujeito da oração principal. (Isso – sujeito // é possível – predicado).

Lembre-se de que as funções sintáticas podem ser: objeto direto, objeto indireto, complemento nominal, aposto, predicado e sujeito.

a) A menina quis que eu comprasse sorvete.

b) Consta que esses homens foram presos anteriormente.

c) É necessário que se estabeleça regras nesta empresa.

d) Estou com esperança de que ele saia vitorioso.

e) Mariana lembrou-se de que Manoel chegaria mais tarde.

f) Tenho certeza de que não há esperanças.

g) Faço apenas um pedido: que você nunca abandone os seus princípios.

h) Convém que não saias da classe.

i) Penso que eles viajarão amanhã cedo.

j) Tenho medo de que ele não resista ao interrogatório.

k) Pedi-lhe um favor: que me chamasse às sete horas.

l) O certo é que o Vasco não ganhará do Flamengo.

m) É certo que o Vasco não ganhará do Flamengo.

2) Preencha os parênteses de acordo com os seguintes códigos.

  1. Oração Subordinada Substantiva objetiva direta
  2. Oração Subordinada Substantiva subjetiva
  3. Oração Subordinada Substantiva predicativa

(       ) Foi confirmado que o ministro visitará nossa cidade.

(       ) A questão é se ele virá.

(       ) Os alunos pediram que a prova fosse adiada.

3) Transforme em períodos simples os períodos compostos que seguem, permutando as orações subordinadas substantivas pelos substantivos correspondentes e fazendo as adaptações necessárias.

a) Ficou combinado que retornaríamos de Londres no dia seguinte.

b) Eu desejo que você seja feliz.

c) O cliente pediu que devolvessem aquele pacote.

d) Era inevitável que o governo fosse derrubado.

4) (FUVEST)

Modelo: Observou que a lenha verde agonizava. – Observou a agonia da lenha verde.

Seguindo o modelo acima, reescreva a seguinte frase.

“Percebeu que os homens se aproximavam”.

5) Classifique as orações substantivas abaixo em completiva nominal ou objetiva indireta.

a)    Aqui ninguém duvida de que marmota existe. (Rachel de Queiroz)

b)    Estava convencido de que todos os habitantes da cidade eram ruins. (Graciliano Ramos)

c)    Fabiano tinha a certeza de que não se acabaria tão cedo. (G. Ramos)

d)    O lazer não limita-se à ideia de que se possa viajar à praia ou ao campo durante as férias.

Lista de exercícios de sintaxe

Nesta lista de exercícios você poderá praticar vozes verbais. este é um assunto sempre presente nas aulas de análise sintática, mas é preciso entender que  quando interpretamos textos, perceber qual a voz verbal usada já nos ajuda a entender o posicionamento discursivo do autor. Falarei disso num outro artigo ou vídeo no meu canal, mas só futuramente. Por hoje, fica minha dica para que você confira o último artigo com exercícios de revisão sobre análise sintática e também a seção de artigos de Literatura. Tem muito exercício com gabarito por lá. este aqui não fiz o gabarito, mas dependendo dos pedidos nos comentários, paro num outro momento para resolver as atividades de Língua Portuguesa que publiquei nos últimos dias.

Lista de exercícios de sintaxe (sem gabarito dessa vez)

1 – Em que voz estão os verbos nas frases a seguir:

a- No Natal, as crianças invadem as lojas dos shoppings.
b- A pequena praça era enfeitada por luzes coloridas.
c- Diariamente chegava à cidade o velho trem de carga.
d- Eu me machuquei com um martelo.
e- São divulgados , através da TV , os resultados da loteria.
f- As lagartas destruíram o pomar.
g- A praia era iluminada por um lindo sol de setembro.
h- O ser humano criou muitos rituais religiosos.
i- Os alunos se abraçaram.
j- O lobo machucou a ovelha.
k- O juiz foi vaiado pela torcida.
l- As ruas foram lavadas pela chuva.
m- Os exercícios foram feitos por Carlos.
n- Muitos animais foram domesticados pelo homem.
o- Muitos animais fogem do contato com o homem.
p- A jovem se penteava diante do espelho.
r- A cidade foi cercada pelo exército.
s- O goleiro desviou a bola.

2-Passe as orações do exercício anterior  da voz ativa  para a voz passiva analítica e identifique o agente da passiva.

3- Passe as orações do exercício 1 da voz passiva para a voz ativa e identifique o objeto direto.

4-Transforme as orações em voz passiva sintética. Atenção à concordância.

a) Babás são contratadas.
b) Casa é alugada em condomínio.
c) A festa foi comemorada.
d) Propostas foram estudadas.
e) Bicicletas são anunciadas a preços baixos.

5. Transforma as orações abaixo em voz passiva analítica.

a) Nintendo lidera guerra dos games.
b) Cuba prepara reaparição de Fidel Castro.
c) Empresas adotam a prática da ginástica Laboral.
d) Certidão digital reduziu a papelada.
e) O comitê estabeleceu a premiação.

6. Assinale SI para sujeito indeterminado VR para voz reflexiva ou PS para voz passiva sintética:

a) (    ) Precisa-se de empregada.
b) (    ) Vive-se bem.
c) (    ) Você se surpreendeu!
d) (    ) O furacão se movia rapidamente.
e) (    ) Aluga-se consultório.
f)  (    ) Eu me dividi.
g) (    ) Você não precisa se descabelar.

7- Na oração: “Diz-se que o mundo vai acabar em chamas.”

a-    o “se” é partícula apassivadora ?
b-    o “se” é sinal de sujeito indeterminado ?

Justifique sua resposta

8- Leia as orações:

– Os professores reavaliaram sua decisão.

– Um novo horário foi proposto pelos professores.

a) Identifique o sujeito das orações.
b) Que elemento pratica a ação expressa pelo verbo em cada uma das orações?
c) Transcreva o termo que recebe a ação expressa pelo verbo em cada uma das orações.
d) Em que voz estão essas orações? Justifique.

Atividades de analise sintática para revisão

Neste artigo vou apresentar apara vocês alguns exercícios que usei como revisão com uma turminha na escola. Sempre retomamos exercícios assim para revisarmos conceitos básicos, mesmo que eles estejam já no terceiro ano do ensino Médio. Os assuntos abordados nesta lista são bastante simples e não exigem muito do aluno que tem acompanhado as aulas, que entendeu os conteúdos passados e, principalmente, está fazendo periodicamente exercícios.

Os assuntos estão separados em:

– Interpretação de Texto.
– Tipos de Sujeito.
– Verbos, pronomes e advérbios utilizados nos discursos.
– Ortografia: Emprego do s

Lista de exercícios de revisão de análise sintática

Observe a tirinha e responda:

atividades revis

1- Todos sabemos que Garfield gosta muito de ser sarcástico com os outros. Nessa tirinha, o humor há humor pois:
a) Após toda a chuva, Garfield saiu ileso no final da história.
b) Mesmo sem ter tomado chuva, Garfield acabou todo molhado.
c) Todos os cães tem mania de se sacudir após molhar-se.
d) Garfield não gosta de água, mas não se importou em ficar molhado.
e) nda

2- Feias, sujas e imbatíveis (fragmento)

As baratas estão na Terra há mais de 200 milhões de anos, sobrevivem tanto no deserto como nos pólos e podem ficar até 30 dias sem comer. Vai encarar?
Férias, sol e praia são alguns dos bons motivos para comemorar a chegada do verão e achar que essa é a melhor estação do ano. E realmente seria, se não fosse por um único detalhe: as baratas. Assim como nós, elas também ficam bem animadas com o calor. Aproveitam a aceleração de seus processos bioquímicos para se reproduzirem mais rápido e, claro, para passearem livremente por todos os cômodos de nossas casas.
Nessa época do ano, as chances de dar de cara com a visitante indesejada, ao acordar durante a noite para beber água ou ir ao banheiro, são três vezes maiores.

Revista Galileu. Rio de Janeiro: Globo, Nº 151, Fev. 2004, p. 26.

No trecho “Vai encarar?”, o ponto de interrogação tem o efeito de:
a) apresentar.
b) avisar.
c) desafiar.
d) questionar.
e) nda

3- A oração sem sujeito caracteriza-se por:
a) O sujeito está indeterminado.
b) Não se atribui o fato a nenhum ser.
c) O sujeito está simplesmente oculto.
d) O fato é atribuído a um ser determinado.
e) nda.

4- “Nunca ninguém acariciou uma cabeça de galinha.” Qual é o sujeito e o tipo de sujeito desta oração?
a) Nunca ninguém / composto.
b) Ninguém / simples.
c) Ninguém /indeterminado.
d) Nunca / simples.
e) nda.

5- “Corriam por aqueles dias boatos da revolução.” Nesta oração o tipo de sujeito é:
a) Sujeito simples.
b) Sujeito oculto.
c) Oração sem sujeito.
d) Sujeito indeterminado.
e) nda.

6- Assinale a alternativa em que todas as palavras estão incorretamente grafadas:
a) cartaz – chafariz – buzina
b) crise – despesa – gasolina
c) fase – sinusite – surpresa
d) vasio – vizar – balisa
e) nda

7- Dadas as palavras: 1. Despesa, 2. Mosaico, 3. Magazine, constatamos que está (estão) corretas (s):
a) Apenas a palavras nº 1;
b) Apenas a palavras nº 2;
c) Apenas a palavra nº 3;
d) Todas as palavras.
e) nda

8- Sobre o discurso indireto é correto afirmar, EXCETO:
a) No discurso indireto, o narrador utiliza suas próprias palavras para reproduzir a fala de um personagem.
b) O narrador é o porta-voz das falas e dos pensamentos das personagens.
c) Normalmente é escrito na terceira pessoa. As falas são iniciadas com o sujeito, mais o verbo de elocução seguido da fala da personagem.
d) No discurso indireto as personagens são conhecidas através de seu próprio discurso, ou seja, através de suas próprias palavras.
e) nda

9- Faça a associação entre os tipos de discurso e assinale a sequência correta.

Reprodução fiel da fala da personagem, é demarcado pelo uso de travessão, aspas ou dois pontos. Nesse tipo de discurso, as falas vêm acompanhadas por um verbo de elocução, responsável por indicar a fala da personagem.
Ocorre quando o narrador utiliza as próprias palavras para reproduzir a fala de um personagem.
Tipo de discurso misto no qual são associadas as características de dois discursos para a produção de outro. Nele a fala da personagem é inserida de maneira discreta no discurso do narrador.
( ) discurso indireto
( ) discurso indireto livre
( ) discurso direto

a) 3, 2 e 1.
b) 2, 3 e 1.
c) 1, 2 e 3.
d) 3, 1 e 2.
e) nda

10- Crie um discurso direto entre duas personagens e escreva em seu caderno.

Lista de atividades sobre variações linguísticas

Um dos fatores mais importantes para a correta compreensão das mensagens é o domínio das variantes linguísticas presentes no Brasil. Sabemos que toda língua possui variações linguísticas. Elas podem ser entendidas por meio de sua história no tempo (variação histórica) e no espaço (variação regional). Esta é uma competência bastante importante quando falamos, por exemplo, da redação no Enem. sempre que falo disso em sala de aula deixo bem claro para os alunos que o Enem avalia a capacidade do aluno transitar entre as diversas variantes e expressar-se com elas. Isso significa que o aluno precisa ler textos de variantes diferentes daquele com que está acostumado, mas ainda assim entendê-las. Caso queira estudar mais sobre o assunto, escrevi vários artigos em meu outro projeto, mas num artigo, em especial, falo que existem aulas em vídeo acessíveis a qualquer momento por meio de dispositivos conectados à internet. Sim, as aulas do Descomplica,m por exemplo, são perfeitas pra isso e muitos de meus alunos usam como complemento do material e aulas que têm na escola. Eles, assim como eu, já descobriram que existem formas de fazer um texto no Enem muito mais simples.

 

As variações linguísticas podem ser compreendidas a partir de três diferentes fenômenos.

1) Em sociedades complexas convivem variedades linguísticas diferentes, usadas por diferentes grupos sociais, com diferentes acessos à educação formal; note que as diferenças tendem a ser maiores na língua falada que na língua escrita;

2) Pessoas de mesmo grupo social expressam-se com falas diferentes de acordo com as diferentes situações de uso, sejam situações formais, informais ou de outro tipo;

3) Há falares específicos para grupos específicos, como profissionais de uma mesma área (médicos, policiais, profissionais de informática, metalúrgicos, alfaiates, por exemplo), jovens, grupos marginalizados e outros. São as gírias e jargões.

Esta é a explicação que encontrei no UOL dia desses e usei aqui como introdução desta lista de exercícios sobre variedades linguísticas que apresento abaixo.

VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS – EXERCÍCIOS

Texto 01:

Tipos de assaltantes

•    Assaltante nordestino: — Ei, bichim… Isso é um assalto… Arriba os braços e num se bula nem faça muganga… Arrebola o dinheiro no mato e não faça pantim se não enfio a peixeira no teu bucho e boto teu fato pra fora! Perdão, meu Padim Ciço, mas é que eu to com uma fome da moléstia…

•    Assaltante mineiro: — Ô sô, prestenção… Isso é um assarto, uai… Levanta os braço e fica quetim quesse trem na minha mão tá cheio de bala… Mió passá logo os trocado que eu num tô bão hoje. Vai andando, uai! Tá esperando o quê, uai?

•    Assaltante gaúcho: —  Ô, guri, ficas atento… Bah, isso é um assalto… Levantas os braços e te aquietas, tchê! Não tentes nada e cuidado que esse facão corta uma barbaridade, tchê. Passa as pilas pra cá! E te manda a La cria, senão o quarenta e quatro fala.

•    Assaltante carioca: — Seguinte, bicho… Tu te deu mal. Isso é um assalto. Passa a grana e levanto os braços, rapá… Não fica de bobeira que eu tiro bem pra… Vai andando e, se olhar pra trás, vira presunto…

•    Assaltante baiano: — Ô, meu rei… (longa pausa) Isso é um assalto… (longa pausa) Levanta os braços, mas não se avexe não… (longa pausa) Se num quiser nem precisa levantar, pra num ficar cansado… Vai passando a grana, bem devagarinho… (longa pausa) Num repara se o berro está sem bala, mas é pra não ficar muito pesado… Não esquenta, meu irmãozinho! (longa pausa) Vou deixar teus documentos na encruzilhada…

•    Assaltante paulista: — Orra, meu… Isso é um assalto, meu… Alevanta os braços, meu… Passa a grana logo, meu… Mais rápido, meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta para comprar o ingresso do jogo do Corinthians, meu… Pô, se manda, meu…

(Autor desconhecido – Texto circulando na internet)

01) O que você percebeu no texto acima? Comente:

02) Transcreva de cada uma das cenas duas palavras ou expressões próprias do:

  • nordestino:
  • mineiro:
  • gaúcho:
  • carioca:
  • baiano:
  • paulista:

03) Além da linguagem, o texto também revela comportamentos ou hábitos que supostamente caracterizam o povo de diferentes estados ou regiões. Diga o que caracteriza, por exemplo, o nordestino, o baiano e o paulista:

Texto 02: Causo de mineirim

Sapassado, era sessetembro, taveu na cuzinha tomano uma pincumel e cuzinhano um kidicarne cumastumate pra fazer uma macarronada cum galinhassada. Quascaí dessusto quanduvi um barui vindedenduforno, parecenum tidiguerra. A receita mandopô midipipoca denda galinha prassá. O forno isquentô, o mistorô e o fiofó da galinhispludiu! Nossinhora! Fiquei branco quinein um lidileite. Foi um trem doidimais! Quascaí dendapia! Fiquei sem sabê doncovim, proncovô, oncontô. Oiprocevê quelocura! Grazadeus ninguém semaxucô!

(autor desconhecido)

04) O texto acima apresenta aspectos interessantes de variação linguística. Que dialeto é utilizado para construir o humor do texto?

05) Observando a escrita de algumas palavras do texto, deduza: O que caracteriza esse dialeto?

06) Também é possível observar no texto variações de registro, especialmente quanto ao modo de expressão. O texto apresenta marcas da linguagem escrita ou da linguagem oral? Dê alguns exemplos que justifiquem sua resposta:

variedade-linguística-1

07) Que variação linguística está sendo usada por Chico Bento e seu pai? Por quê?

08) A que gênero textual pertence o texto acima?

09) Que tipo de linguagem é utilizada nos quadrinhos: verbal, não verbal ou mista? Por quê?

10) Reescreva todas as falas fazendo uso da variedade padrão:

Texto 04:
variedade-linguística-2

11) Na tirinha acima, Chico Bento e a professora utilizam o mesmo tipo de variedade linguística? Explique da melhor forma possível:

12) Reescreva as falas consideradas inadequadas com relação à norma padrão:

13) Foi preciso fazer alguma alteração na fala da professora? Por quê?

14) Invente uma possível fala para a professora, após a confissão do Chico Bento: