Skip to main content

Diferença entre signos visuais e signos linguísticos




Signos visuais são componentes básicos dos códigos, que possibilitam a expressão de uma ideia substituindo determinados objetos. Assim, são signos visuais o sinal vermelho do semáforo indicando “pare”; o polegar erguido numa mão fechada indicando “sim, ok”, entre outros.

Segundo a relação com o objeto a que se refere, o signo visual pode assumir diferentes representações do real. Destacamos três:

ícone: signo que apresenta relação de semelhança ou analogia com o objeto a que se refere (é metafórico). São ícones a fotografia, o diagrama, a planta de uma casa etc.

índice: signo que mantém uma relação natural causal, ou de contiguidade física, com o objeto a que se refere (é metonímico). São índices a fumaça, que indica a presença de fogo; a nuvem negra no céu indicando chuva; uma pegada indicando a passagem de alguém, a posição do cata-vento que indica a direção do vento, entre outros.

símbolo: signo que se fundamenta numa convenção social e que, por isso, mantém uma relação convencional com o objeto a que se refere; é arbitrário, é imotivado. São exemplos de símbolos: o signo linguístico, a pomba branca (representação da paz), a cor vermelha (representação de perigo), a auréola (representação de santidade, inocência).

diferenca-entre-signos-visuais-e-signos-linguisticos-post

No cartaz da peça – dirigida por Zbigniev Ziembinski e encenada no Teatro Dulcina, no Rio de janeiro, em 1958, e depois no Teatro Cacilda Becker, em São Paulo -, há dois casos de símbolos: o primeiro, mais evidente, é o linguístico (indicado pelas palavras santo, porca, teatro etc). O segundo, mais criativo, é a letra o, que vira a auréola do personagem do desenho, indicando que ele é o santo.

Já ao pensar na linguagem verbal, tendo a língua como código, os signos linguísticos são os responsáveis pela representação das ideias. Esses signos são as próprias palavras, que, por meio da produção oral ou escrita, associamos a determinadas ideias. Daí afirmar-se que os signos linguísticos apresentam dois componentes: uma parte material, concreta (o som ou as letras), que denominamos significante; outra abstrata, conceituai (a ideia), que denominamos significado.’

“[…] signos são entidades em que sons ou sequências de sons – ou as suas correspondências gráficas – estão ligados com significados ou conteúdos. […] Os signos são assim instrumentos de comunicação e representação, na medida em que, com eles, configuramos linguisticamente a realidade e distinguimos os objetos entre si.”

VILELA, M.; KOCH, I. V Gramática da língua portuguesa. Coimbra: Almedina, 2001

SIGNO LINGUÍSTICO =  SIGNIFICANTE + SIGNIFICADO

  • significante: sequência sonora: /papagaio/ (ou representação gráfica: papagaio).
  • significado (conceito): ave da espécie de psitaciformes ou psitacídeos, geralmente de penas verdes, que imita bem a voz humana.

Por exemplo, a palavra papagaio traz a ideia de “ave da espécie de psitaciformes ou psitacídeos, geralmente de penas verdes, que imita bem a voz humana”. Entretanto, essa ligação entre representação (significante) e ideia (significado) é totalmente arbitrária, ou seja, não há nada indicando que deve haver uma relação entre elas. Trata-se de uma convenção; caso contrário, não saberíamos a que a palavra papagaio faz referência.

É isso. Todo estudante que se preze deve chegar ao vestibular sabendo essas diferenças para, assim, tirar melhor proveito da coletânea dada para construção da dissertação.

Para saber mais:

Caso queira ajuda para montar seu texto dissertativo de forma a obter a nota 1000 no Enem, conheça as aulas do Descomplica. Minha sincera opinião eu deixei neste post.

A significação das palavras tem de ser obrigatoriamente comum ao grupo social que faz uso de um mesmo código ou língua, para que a mensagem produzida possa ser entendida.




Um outro detalhe importante: a palavra papagaio não é o papagaio (a palavra papagaio não tem condições de imitar a sua voz, por exemplo), mas quando a dizemos (ou lemos), imediatamente nos vem a ideia da ave conhecida como papagaio. O objeto mencionado pode não estar diante de nós, mas o simples fato de evocá-lo, dizendo a palavra que o nomeia, é suficiente para que sua imagem nos venha à mente.

O signo linguístico, isoladamente, não tem outra finalidade a não ser representar alguma coisa e, por isso, dizemos que a palavra isolada é neutra. No entanto, por diversas associações, um mesmo signo linguístico pode assumir diferentes significados:

É o arranjo dessa palavra, sua articulação e combinação num enunciado textual (falado ou escrito), que concretiza e exterioriza uma ideia e faz com que ela assuma este ou aquele sentido.

O papagaio do Hagar é muito dócil.

→ ave da espécie de psitaciformes ou psitacídeos, geralmente de penas verdes, que imita bem a voz humana

Essa menina é um papagaio.

→ menina tagarela ou que repete tudo o que escuta

Os meninos brincaram a tarde toda empinando um papagaio.

→ brinquedo que consiste em uma armação de varetas de madeira leve, coberta de papel fino, e que, por meio de uma linha, se empina, mantendo-se no ar

É o arranjo dessa palavra, sua articulação e combinação num enunciado textual (falado ou escrito), que concretiza e exterioriza uma ideia e faz com que ela assuma este ou aquele sentido.

Diferença entre signos visuais e signos linguísticos
Avalie este artigo

Site Quero Passar

Site educativo com informações sobre o Enem, SISU, Prouni, vestibulares e concursos. Material de apoio, revisão e produtos educativos e dicas para otimizar os estudos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *